Em que idade o bebê deve começar a falar?

Um estudo realizado pela University of Western Australia, publicado na revista científica Pediatrics, revelou que aquelas com defasagem no vocabulário aos 2 anos não têm riscos de ter problemas emocionais ou de comportamento mais tarde.A pesquisa acompanhou, até a adolescência, 1.400 crianças que demoraram mais a falar. Dessas, uma em cada dez tiveram atraso, mas isso não levou a nenhum problema. Segundo os cientistas, apesar de uma criança de 2 anos falar uma centena de palavras, há uma série de variações.De acordo com Saada Ellovitch, neuropediatra do Hospital Samaritano (SP), o marco para aguardar a fala é até 2 anos. Nessa idade, uma criança com neurodesenvolvimento dentro do esperado já diz várias palavras isoladas e pequenas frases, com duas ou três palavras. “Mas é importante ressaltar que estaria dentro do tolerável quando o atraso da fala é isolado, mas a comunicação social, normal”, diz Saada.Ou seja, o seu filho pode até não falar, mas ele se comunica olhando nos seus olhos ou de quem está cuidando dele, para um objeto desejado e apontado para este. Nesse caso, o atraso de desenvolvimento envolveria apenas uma região do cérebro. Ainda assim, convém você buscar ajuda de um especialista, pois é ele quem vai saber avaliar a criança.São sinais de alerta de um problema maior quando, além de não falar, a criança não brinca, não olha nos olhos de forma persistente. “Por vezes o atraso na fala tem lentidões em outras áreas associadas, como na coordenação motora fina e no nível de atenção, que podem vir acompanhados de dificuldades comportamentais e emocionais”, alerta Saada.No dia a dia, você pode ajudar o seu filho no desenvolvimento da fala e linguagem. Em primeiro lugar, se ele apontar para um objeto, não o atenda prontamente. Incentive-o a pedir, a dizer o que deseja. “Os pais também devem ser bons contadores de histórias e leitores para os seus filhos”, afirma Saada.

A fala é nosso meio de comunicação com o mundo a nossa volta, (claro que na ausência dela o ser humano encontra outras formas de se comunicar como os sinais, mas as outras formas só são utilizadas quando a principal forma de se comunicar não é possível, que é a fala).

Falar expressa nossos sentimentos, nossas vontades, idéias, exterioriza nossos pensamentos, permite que vivamos em um mundo sociável. Por isso e por muitos outros motivos a fala é tãoooooo importante para a vida humana, para seu desenvolvimento e portanto dominá-la é um marco na vida de toda criança. Após o alcance do marco de andar a próxima etapa esperada com muita ansiedade por todos os pais é a fala.

Minha filha Beatriz tem 1 ano e 3 meses e articula algumas poucas palavras como papá, mamã, pão (sim ela ama pão então nada mais justo que saber falar para poder pedir né?kkkkk), e algumas outras palavras soltas… conheço algumas crianças que já falam mais coisas na idade dela e isso as vezes me preocupa, por mais que eu diga que cada criança tem seu ritmo de desenvolvimento internamente me pergunto se ela está dentro do esperado, se tenho que me preocupar, etc… na maioria das vezes sou desligada com essas coisas, mas de vez em quando meio que acende um sinal de alerta para que eu cheque se está tudo bem, tudo dentro do normal e esperado com minha filha no que diz respeito ao seu desenvolvimento… acho que a maioria das mães faz isso… mas também não quero bancar a mãe neurótica de sair correndo para  levar minha filha numa fonoaudióloga, ou sei lá qual outra “óloga” que eu poderia levar ela, quero deixar as coisas acontecerem naturalmente, mas em meio a dúvidas frequentes fui dar uma pesquisada sobre que é de fato esperado para cada idade e o que é normal e o que não é…

Descobri que por volta dos 12 meses o bebê já articula pelo menos quatro palavras e aos 2 anos já consegue formar uma frase com duas ou três palavras, tendo um vocabulário de cerca de 50 palavras, que aumenta para 200 palavras aos 3 anos de idade. Tudo começa com o bebê emitindo sons como “ahh” ou “ohh” por volta dos 3 meses de idade, passando depois a balbuciar palavras, como “dá-dá” ou “má-má”, por exemplo. Por volta dos 9 meses de idade, o bebê já aperfeiçoou a fala e já é capaz de dizer palavras como “mamãe” (minha filha só disse mamãe com quase 1 ano, cada criança uma criança…)

Um estudo realizado pela University of Western Australia, publicado na revista científica Pediatrics, revelou que aquelas com defasagem no vocabulário aos 2 anos não têm riscos de ter problemas emocionais ou de comportamento mais tarde. A pesquisa acompanhou, até a adolescência 1.400 crianças que demoraram mais a falar. Dessas, uma em cada dez tiveram atraso, mas isso não levou a nenhum problema. Segundo os cientistas, apesar de uma criança de 2 anos falar uma centena de palavras, há uma série de variações. UFA!!!!

De acordo com Saada Ellovitch, neuropediatra do Hospital Samaritano (SP), o marco para aguardar a fala é até 2 anos. Nessa idade, uma criança com neurodesenvolvimento dentro do esperado já diz várias palavras isoladas e pequenas frases, com duas ou três palavras. “Mas é importante ressaltar que estaria dentro do tolerável quando o atraso da fala é isolado, mas a comunicação social, normal”, diz Saada. Ou seja, o seu filho pode até não falar, mas se ele se comunica olhando nos seus olhos ou de quem está cuidando dele, ou olha para um objeto desejado apontado para este, então está tudo dentro do normal. Nesse caso, o atraso de desenvolvimento envolveria apenas uma região do cérebro. Ainda assim, convém você buscar ajuda de um especialista, pois é ele quem vai saber avaliar a criança.

ALERTA! São sinais de alerta quando a criança além de não falar, não brinca, não olha nos olhos de forma persistente. “Por vezes o atraso na fala tem lentidões em outras áreas associadas, como na coordenação motora fina e no nível de atenção, que podem vir acompanhados de dificuldades comportamentais e emocionais”, alerta Saada. O atraso na fala pode ser causado apenas quando os pais não estimulam a fala do bebê ou como resultado de uma doença como surdez ou autismo, por exemplo. Nestes casos, é importante observar se o bebê apenas não tem a fala desenvolvida para a idade ou se apresenta outros sintomas como não reagir a sons ou frieza emocional que está relacionada com o autismo e consultar o pediatra.

Alguns fatores psicológicos também podem atrasar a fala ou até mesmo fazer com que esta regrida, como, por exemplo, a chegada de um irmãozinho ou a separação dos pais. Nestes casos, procure sempre deixar seu filho seguro do amor que os pais têm por ele, que logo as coisas progridem.

Outro fator de atraso no desenvolvimento da fala é o ambiente. Uma criança que convive na maior parte do seu tempo com adultos e esses adultos fazem tudo para a criança sem que ela precise pedir, como pegar um copo de água quando a criança aponta para o filtro, não tem necessidade de falar.

Os pais precisam entender a seguinte lição: a criança precisa sentir necessidade de falar. É um processo novo e difícil para a criança. Se ela aponta e tem o que quer na mão, sempre usará dessa atitude para conseguir o seu desejo e não será forçada a falar.

Desenvolvimento da fala do bebê por idade

O desenvolvimento da fala do bebê é um processo lento que se vai sendo aperfeiçoado enquanto o bebê vai crescendo e se desenvolvendo, de acordo com a sua idade.

 3 meses

Aos 3 meses de idade, o choro é a principal forma de comunicação do bebê (nós mães sabemos bem…kkkkk), sendo que ele chora de forma diferente para causas diferentes, acredite com o tempo a gente aprende a distinguir o que quer dizer cada chorinho do bebê. Nesta idade, ele já emite sons como “ahh” ou “hghh”.

 4 a 6 meses

O bebê começa a balbuciar e fazer sons, usando as vogais A, E, U e as consoantes D e B para ele mesmo se ouvir ou para os brinquedos. Pode tentar dizer algumas palavras, como “dá-dá”, “pá-pá” ou “má-má”.

 7 a 12 meses

O bebê começa a dar sentido aos sons que faz e tenta imitar as palavras que os adultos usam. Já é capaz de vocalizar palavras, como “papai”, “babá” ou “mamãe”, imitar a tosse ou fazer “psiu”. Aos 12 meses, já articula pelo menos quatro palavras, compreende e responde a uma ordem e já aprendeu a usar duas ou três combinações de sons para obter comida ou brinquedos.

13 a 18 meses

Por volta dos 15 meses, o bebê já consegue dizer entre quatro a seis palavras, indicando nomes e identifica o nome de um objeto. Aos 18 meses, o bebê já consegue falar de cinco a dez palavras e organiza frases com duas palavras e começa a dar nome ao que vê como “neném”, “pato” (sapato) ou “tomove” (automóvel).

19 a 24 meses

O bebê tem um vocabulário de cerca de cinquenta palavras e usa até palavras inventadas por ela para pessoas ou brinquedos. Já pode dizer o seu primeiro e segundo nome e geralmente já sabe o nome de tudo em casa. Já pode reunir duas ou três palavras para formar uma frase como “neném quer” ou “aqui bola”.

 3 anos

A criança é capaz de manter uma conversa e entender o que está sendo dito. Já tem um vocabulário de cem a duzentas palavras e é capaz de ter uma conversa básica.

Cada bebê tem o seu próprio ritmo de desenvolvimento, sendo importante os pais o respeitarem. Por isso, é importante levar o bebê regularmente ao pediatra para ele avaliar se o desenvolvimento e a linguagem do bebê estão decorrendo naturalmente.

Algumas dicas importantes de como ajudar seu filho no desenvolvimento da fala e linguagem:

  •  Se ele apontar para um objeto, não o atenda prontamente. Incentive-o a pedir, a dizer o que deseja.
  • Leia livros, muitos livros…. Veja nesse post dicas de leituras para bebês.
  • Fale as palavras corretamente para seu filho, ao invés de falar au-au, fale cachorro, isso auxilia que ele aprenda corretamente a falar o nome das coisas;
  • Fuja de falar de forma infantilizada com seu bebê, ou em diminutivos pois além de ser algo super chato, falar com jeitinho infantil dificulta o entendimento da criança que ainda não sabe qual o som correto das palavras.  Fale de forma correta, pausadamente;
  • Narre o que está fazendo no dia-a-dia, por exemplo diga: “mamãe está estendendo a roupa, veja uma roupa branca, outra roupa preta, mamãe vai estender a roupa com um prendedor.” Vai aumentando o vocabulário da criança, e sua percepção do mundo a sua volta.
  • Converse muito com seu bebê e, principalmente, olhando para ele. Assim poderá ver os movimentos que a mamãe faz com a boca e as expressões de seu rosto, importantes para a comunicação
  • Nomeie tudo para a criança. A hora do banho é ideal para o pequeno conhecer as partes do corpo com as perguntas: “Onde está o pé? E o cabelo? Os olhos?”. Ou então: qual é a cor dessa maçã?