Amor de mãe é um amor que dói!

http://ipcg.org.br/mae-um-instrumento-valioso-nas-maos-de-deus/

Sim, amor de mãe dói! Ahhhh e como dói!

E é uma dor que começa muito antes do bebê nascer, dói quando precisamos realizar mil exames para saber se está tudo bem com seu corpo para poder gerar um bebê, dói porque os exames são invasivos…

Dói quando passamos meses e talvez até anos, realizando mil métodos de concepção para poder gerar um bebê dentro de nós, ahh e como dói esperar, a dor da espera é uma dor muita vezes solitária, aonde choramos por dentro, choramos escondidinho, por mais que estejamos com um sorriso estampado no rosto, e aquela cara de que está tudo bem, muitas vezes a maquiagem esconde a dor da frustração de mês a mês ver a terrível menstruação vir como sinal de que ainda não foi dessa vez… ou os testes que realizamos torcendo pelos dois risquinhos e só aparece insistentemente apenas 1… e o pior ainda é quando as pessoas vem perguntar se já faz tempo que estamos tentando engravidar, daí a dor se mistura com uma raiva contida dentro de nós, que no fundo a culpa não é da pessoa que perguntou, mas se pudéssemos as vezes fuzilaríamos um desses, porque junto com a pergunta, vem a triste lembrança que nosso tempo ainda não chegou… mas um dia, ah um dia, Deus nos concede a benção de gerar um bebê, ahhhh e esse dia é um dos mais felizes do mundo, claro que não supera a alegria de ter nossos filhos nos braços, mas é um início e um abençoado início….

ahhhh mas dai começamos a vivenciar outras dores… as dores de cólica, de cabeça, as dores nas costas, nos pés inchados da gestação, as dores de azia quando o bebê começa a ficar sem espaço, as dores dos chutes nas costelas… sim sentir os primeiros chutinhos são uma delicia dentro de nós, sinal real que existe alguém ali dentro, e já não dependemos apenas da ecografia mensal para poder matar as saudades, agora podemos ter a certeza vivenciada que alguém está lá dentro… e acredite cada dia que passa vai ficando mais real essa certeza, e consequentemente mais dolorosa, afinal o  bebê está ficando grande e sem espaço… e nosso coração mais apertado com a mistura de todos os sentimentos com a sua espera, a ansiedade, a alegria, o medo, a insegurança…ahh são tantos sentimentos….até que depois de uma longa espera de meses, chega a hora…e essa hora também é dolorida, a dor do parto…

ahhhh e que dor é essa, seja de uma cesárea ou um parto normal não faz diferença a verdade é que em qualquer uma delas a dor nos acompanha, porque amor de mãe dói, dói o corte, dói a anestesia, dói as contrações, dói ser aberta, invadida, sua intimidade escancarada para todos verem e palpitarem, dói ser costurada por dentro e por fora… mas essa dor abre caminho para a descoberta da maternidade, quando o chorinho do bebê invade a sala do centro cirúrgico, tudo, absolutamente tudo pára, para que possamos nos deliciar com o amor materno, sentir o cheirinho, ouvir o chorinho (tá sejamos realistas as vezes é um chorão), mas não importa pois vem a certeza de que tudo está bem….e quando não está? E quantas mães não podem sair com os seus bebês da maternidade? Quantas mães passam meses lutando com seus bebês prematuros nas neonatais? E quantas mães nunca sairão da maternidade com seus filhos nos braços? Amor de mãe dói….

Depois do parto, vem a amamentação… ahhh como dói, dói os mamilos rachados, sangrando, dói tentar amamentar e não ter leite, dói ver seu filho chorar de fome e não conseguir dar o peito para ele mamar, dói ter que dar de mamar a cada uma hora e as pessoas ainda te julgarem porque seu filho mama tanto…dói ver mil pessoas te dando palpite do que fazer, dói nessas horas não ter todas as respostas e seu filho não ter vindo com manual de instrução, dói ouvir o choro do seu bebê… porque o choro do seu filho dói e MUITO dentro de você, porque queremos tomar essa dor para nós, queremos que ele nunca sinta a dor física, a dor de ser abandonado e traído, a dor de ser rejeitado, a dor de ser zombado na escola pelas suas diferenças, a dor da violência no nosso mundo tão cruel, a dor de ser desqualificado para pertencer a uma empresa ou um grupo, a dor de ser humilhado…ahh como dói o amor de mãe.

Dói as noites em claro, dói quando as pessoas te julgam como estás criando seu filho, se você dá colo ou não dá, se você dá chupeta ou não dá, se você faz assim ou assado, na real não importa o quê, simplesmente dói, porque só você sabe o porque teve que dar a chupeta para o seu filho, talvez você não queria e lutou muito para não precisar dar, mas teve que dar para que ele não fizesse mais o seu peito de chupeta, só você sabe porque teve que embalar seu filho para dormir, talvez foram noites e noites em claro sem dormir, dói as críticas e os julgamentos precipitados, os olhares de reprovação quando você surge com uma mamadeira ao invés do peito e ninguém sabe a sua luta para poder amamentar seu filho…

Dói não ter escolha e ter que deixar seu filho numa creche, ou com uma babá porque você precisa trabalhar fora, dói não poder ver todas as conquistas do seu filho porque você não pode estar lá, dói ter que ficar o dia todo longe dele, dói ter que deixar que outros o peguem no colo ao invés de você, que outros acalentem ele quando ele cair ao invés de você, dói quando você precisa tirar seu filho cedo da cama em dia de chuva para que você possa trazer o sustento para casa… amor de mãe é um amor que dói!

Dói quando os filhos crescem e dia a dia vão conquistando sua independência, dói vê-los não querendo mais seu colo, não querendo mais segurar na sua mão porque agora aprenderam a andar sozinhos, a correr sozinhos, dói quando eles dia a dia não precisam mais de você para tudo… ahhh que saudade que dá de um tempo que não volta mais… dói quando eles viram adolescentes e agora tem vergonha de você, porque você é careta, e eles são jovens e descolados, dói quando seus filhos já são grandes e precisam sair de casa, e você precisa deixá-los ir, mas lá dentro você queria poder segurá-los mais um pouquinho… mas já não dá, o tempo não está mais a seu favor… e eles vão, e tomam seu rumo na vida e você já não está lá para cada tropeço ter sua mão para segurar, você já não está mais lá para enxugar cada lágrima que eles irão derramar… ahhh amor de mãe dói… mas quando termina tudo você para e pensa que SIMPLESMENTE VALEU A PENA! E por mais que doa, e como dói… você esquece e faria TUDO DENOVO… PORQUE junto com a dor vem o esquecimento dela, e você sabe que você cumpriu assim sua missão!

Porque o amor …” tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.” 1 Coríntios 13: 7

 

Comente com o Facebook

comentários