Empreendedorismo materno – As mudanças que a maternidade trás

Imagem: exame.abril.com.br

Hoje vou compartilhar com você a história de 3 mulheres que se tornaram empreendedoras depois de se tornarem mães.

Mãe e empreendedora: Ana Paula Franz

Mãe e empreendedora: Ana Paula Franz

Tem 34 anos, nunca sonhou em ser mãe por conta dos traumas de infância. Sem planejar, a maternidade fez com que ela transformasse toda a dor do abandono em uma oportunidade profissional. Hoje, Ana ajuda pais a educarem seus filhos para crescerem com confiança e amor próprio.

Era uma mulher com mais de 30, casada, empresária e sem a mínima vontade de ser mãe – apesar de ser o sonho do marido. Ana sabia que era adotada, mas apenas aos 21 anos de idade seu pai contou sua verdadeira história – a de que ela havia sido abandonada recém-nascida em um matagal e foi encontrada quase sem vida por um cachorro que a farejou. Ana tinha muitos traumas inconscientes enraizados nesse abandono que travavam a vida dela em vários aspectos e um deles era sobre ser mãe.

Até que Ana foi surpreendida por uma gravidez. Nascia ali uma mãe e uma nova profissional. Ela não acreditava que o instinto maternal fosse suficiente, por isso, leu muito sobre maternidade e sono.

O Miguel nasceu e deu tudo tão certo na prática, que Ana sentiu a necessidade de ajudar outras famílias a se conectarem mais com os filhos. Vendeu sua clínica de estética, fez duas especializações internacionais em Sono, formou-se em Disciplina Positiva e Treinamento Comportamental e abriu uma nova empresa – agora, com foco em preparar os novos pais a desenvolverem a confiança e um apego seguro com seus filhos.

Ela acredita que as crianças devem ser criadas com respeito. Na teoria isso faz todo o sentido, mas pode ser bem difícil para uma família colocar isso em prática.

Na consultoria do sono, Ana ajuda gestantes e famílias com crianças que estão com problemas para dormir.

As mudanças na vida de Ana aconteceram de maneira natural e sem planejamento.

“Hoje, eu realmente sinto que encontrei o meu propósito de vida, que é de transformar a maternidade em algo mais leve e tranqüilo, pois não faz sentido dar o milagre da vida. Quero impactar de forma positiva todas as mães e os lares por onde eu puder passar”.

Contato: @bomsonoconsultoria
@anafranz

Mãe e empreendedora: Nicoly Araújo

Mãe e empreendedora: Nicoly Araújo

Mãe da Belatriz, 3 anos, e do Sidarta, 1 ano, tem 29 anos, empreendedora e proprietária, na Bellatriz Slings, trabalha com Porta-bebês de pano, de produção e modelagem próprias, e também com jóias de âmbar do Báltico para Adultos e Bebês, produtos de Higiene e Aromaterapia para mamães e bebês.

A Bellatriz Slings nasceu da dor da cólica, isso mesmo, ela passava de 2 a 3 horas com Bela chorando de cólicas, até que depois de esgotar todas as possibilidades de remédios, chás, probióticos, uma amiga indicou o sling, correu para comprar, na época não pesquisou muito, simplesmente procurou quem vendia e comprou um de malha e prontamente começou a saga para aprender nos vídeos da internet como usar. Foi sucesso!

Depois de 2 dias sua filha pequena não tinha mais cólicas, e o melhor, ela conseguiu sair de ônibus com sua filha pela primeira vez, aquela sensação de liberdade foi incrível, e desde então nunca mais ela deixou de ser carregada.

Nesse dia, uma pessoa perguntou onde ela tinha comprado o sling, eu prontamente respondi que vendia, e estava esperando um lote (risos imensos) eu nem tinha noção de onde achar, só sabia que ia começar a disseminar aquela maravilha revolucionaria por Maceió, e assim nasceu nossa loja de carregadores ergonômicos.

Sempre empreendeu, se não vendesse as bonecas, bolas de gude, pião e pipas que brincava, não era ela, e veja onde ela chegou!

Contato: @bellatrizloja
www.bellatrizloja.com.br

Mãe e empreendedora: Cínthia

Mãe e empreendedora: Cínthia da Artemenina

Casada, mãe de um casal precioso (e bem levado,rss). Psicóloga por formação que depois de 10 anos de trabalho na área, mudou completamente de direção!

Sempre teve vontade de se dedicar mais às crianças, e depois do nascimento do caçula, pode fazer isso. Pediu licença no trabalho para ficar em casa com eles.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Mas ‘nós fazemos planos, mas a resposta vem do Senhor’, e em vez de ficar com as crianças acompanhei por um ano o tratamento de câncer do meu pai.

E então a costura ressurgiu em sua vida. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Conviveu com ela desde sempre, desde pequena já passava a tarde observando sua avó, querendo ajudar, e dizia que ia aprender tudo o que ela sabia’! ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Com a costura emendou seu coração partido, e começou a tecer um sonho!⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Artemenina é seu terceiro filho! Muito desejado e amado!

Ela trabalho em casa, (com dois supervisores de produção), e tem liberdade para criar, na direção que o coração mandar! Adora cores e costura cada peça com todo amor!

Nunca se viu empreendedora, mas está fascinada pela liberdade, autonomia, e pela diferença que pode fazer nas vidas que cruzam a com ela.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

A psicóloga continua ali, bem guardadinha, para acolher os pedidos, e buscar transmitir por meio das peças o que o cliente sente e deseja!

Contato: artemeninapresentes

Aproveite e confira: