Seu corpo está preparado para a gestação?

Quando o assunto é a “luz da vida”, temos tanto o que refletir, né?!

Será que estamos preparadas para gestar um bebê de forma saudável, fornecer a ele um ambiente físico e emocional que favoreça seu crescimento? Dentro da gestação de um bebê, há também a gestação de uma mãe. Será que esta mãe, estará física e emocionalmente preparada para cuidar do seu bebê depois de nascido?

Parece uma questão filosófica demais, mas deixo um exemplo meu, extremamente pessoal para vocês refletirem:

Sou mãe de dois. Dois meninos lindos e saudáveis, que alternam entre si quem será o mais sapeca do dia. Eu, mãe que trabalho em casa e cuido dos afazeres da casa, sou muito feliz emocionalmente, pois posso ocupar a maior parte do meu dia para eles e com eles. Fisicamente atendo as necessidades deles? As vezes acho que sim, as vezes acho que deixo à desejar. Não é drama, juro. As vezes faltam horas no dia para fazer tudo que tenho que fazer.

Depois da segunda gestação, desenvolvi o hipotireoidismo pós-parto, e que depois de alguns meses acompanhando, foi constatado que ele virou um hipotireoidismo de Hashinomoto, aquele que todas as mulheres tem horror porque dizem que engorda e que tem que tomar remédio para sempre. Eu terei que tomar remédio para sempre, mas não engordei por isso e a vida é simplesmente a mesma antes e depois dele.

A grande questão é, como qualquer doença autoimune, o hipotireoidismo deve ser acompanhado, e é o motivo pelo qual fazemos o exame T4 e T4 livre nos exames prévios, pois a tireóide é fundamental para a gravidez. Mas, em determinado momento, pisei na bola comigo mesma. E como sabem, com hormônios não se brincam.

Quando você não toma os remédios regularmente, não controla a dosagem com o médico, aparentemente tudo que se sente é um cansaço maior, mas no meu caso, veio também um ciclo menstrual desregulado, e entre as neuras de uma mãe que também é uma pessoa com hormônios malucos, uma dúvida: Será que eu estou grávida?

Passei a noite em claro. Minha pressão caiu durante o dia, e tudo que eu me esforçava para não associar com uma possível gravidez, não tinha sucesso. Já estava sentindo meus seios doloridos e maiores, enjoo e tudo mais. Sei que não devemos ignorar a gravidez psicológica como dito neste post, mas essa dúvida não demorou mais do que algumas horas.

O terceiro filho é desejado por nós, mas em outro momento, não agora. A vinda dele não me faria passar a noite em claro, o que realmente me fez passar a noite em claro foi: SERÁ QUE MEU CORPO ESTÁ PREPARADO PARA UMA GESTAÇÃO? Eu que não cuidei direito deste quadro, nem da minha alimentação, da força do meu corpo e tudo mais. Será que eu conseguiria ter uma boa gestação?

Então você tentante, você gestante. Cuidar da sua alimentação, do seu corpo e da sua cabeça é bem mais do que aumentar o bem-estar da sua gravidez e saúde do seu filho, é preparar para o que vem depois. Nós nunca seremos velhas demais ou experientes demais para aprender, e nessas horas de reflexão de alguém que teria que saber alguma coisa por já ter gestado duas crianças, me dei conta que cuidar de mim é garantir uma mãe saudável e ativa para meus filhos com mais qualidade e por mais tempo.

Fica uma última dica. Se sua família possui histórico, cogite com seu obstetra a necessidade de um exame de sangue após o parto para confirmar como anda o funcionamento da tireóide, pois cansada você estará por causa das noites mal-dormidas. Eu descobri o meu porque minha mãe “achou” que meu pescoço está mais inchado. Pode ser coisa de mãe que conhece cada pedacinho do corpo dos filhos ou a mais pura sorte de um palpite, vai saber, né?!

Pense nisso.

Pregnant examined by a doctor a over white background

Quer mais informações sobre universo materno?

Mandamos conteúdos exclusivos sobre educação infantil, chá de bebê, enxoval, e muito mais!

Comente com o Facebook

comentários