Angústia da separação, entenda o que é e como lidar com ela

http://wp.clicrbs.com.br/fraldacheia/2015/08/11/o-que-e-ansiedade-de-separacao/?topo=52,1,1,,171,e171

A maioria dos bebês irá passar pela angústia da separação que ocorre geralmente por volta dos 6 meses e pode ir até os 10 meses. É um período aonde o bebê percebe que ele e a mãe não são a mesma pessoa, ou seja, a mãe não estará com ele em todos os momentos então ele tem medo de perdê-la e isso desencadeará o que se chama de angústia da separação. 

Até o quinto mês o bebê e a mãe tem uma relação simbiótica, é como se fossem a mesma pessoa, um a extensão do outro, o bebê vê na mãe sua proteção, fonte de alimento e de vida, enquanto a mãe já conhece profundamente seu bebê, desde os choros mais diversos, suas expressões, consegue distinguir com mais precisão o que está acontecendo com o seu bebê. Mas essa harmonia toda poderá ter um fim nos próximos meses, mudanças ocorrerão que serão necessárias para que a identidade pessoal do seu filho seja formada. Essa mudança toda significa muito tanto para o desenvolvimento do bebê quanto para a mãe que aos poucos vai retomando sua identidade de mulher e não apenas mãe, que muitas vezes é completamente esquecido nos primeiros meses do nascimento do bebê.

Esses obstáculos que o bebê apresenta ao sentir-se sozinho mesmo que sua mãe esteja por perto é porque ele ainda não conseguiu reter a imagem da figura materna internamente, ocasionando angústia ao perceber que esta se afastou pois nessa fase, o que sai do campo de visão da criança é entendido como tendo desaparecido. Então uma vez que ele não vê a mãe mesmo que por pouco tempo ele entende que ela nunca mais voltará e isso causa no bebê um enorme desespero.

Alguns sinais da angustia da separação:

  • Choro e desespero ao perder a mãe de vista;
  • Seu bebê passa a acordar várias vezes a noite agora, chora dormindo; isso acontece porque a angústia desse processo de separação aparece em seus sonhos, perturbando-o e provocando o choro. Os temores são tão assustadores que é muito difícil para ele dormir tranquilamente;
  • Falta de apetite;
  • Retrocesso em alguma fase do desenvolvimento já alcançada.

O que pode ser feito para ajudar o bebê a passar por essa fase:

A fase de angústia, embora seja um processo difícil, é uma fase inevitável e indispensável para o desenvolvimento do bebê. É importante entender que os medos são uma parte normal do seu desenvolvimento psicológico e que não podem ser impedidos de acontecer, mas podemos ver algumas formas de auxiliar essa transição:

  • A brincadeira de esconder e achar, utilizando uma fralda, serve de exemplo. Ao cobrir o rosto do bebê, seu campo de visão fica limitado, e este acredita que a pessoa que está brincando com ele, sumiu. Porém, ao retirarmos a fralda, como num passe de mágica, a pessoa volta a existir e ele sorri;
  • Deixar o bebê levemente afastado de você nas horas das brincadeiras, mas ir conversando com ele mas ir se afastando progressivamente para ele entender que nem sempre a terá por perto;
  • Quando possível deixar o bebê algumas horinhas com o pai ou com os avós para que ele possa ir criando outros laços de relacionamentos que serão importantes para sua construção emocional;
  • Fazê-lo compreender que o que se perdeu pode ser recuperado da seguinte forma: ele joga um objeto longe e a mãe recupera o objeto para ele;
  • Você também deve conversar com o bebê, explicando o que está fazendo: “Mamãe vai até a cozinha e já volta”. Se precisar dar alguma saída mais longa, procure deixar uma peça de roupa com o seu cheiro por perto.

É importante que nesse período os pais tenham bastante paciência e amor pelos bebês, reconhecendo que essa fase é necessária e irá passar. Se precisar sair de casa, se despeça e diga que vai voltar pois sair escondido é muito pior, porque reforça a angústia do bebê e o medo dele de perder a mãe. Na creche, a equipe também precisa estar consciente dessa fase e preparada para adaptar o bebê. Procure não fazer viagens longas ou se ausentar nesse período pois isso só irá reforçar mais ainda a angústia do bebê.

Quanto tempo dura?

Quando o bebê aprender a engatinhar e a se mover sozinho, a angústia começa a se dissipar pois o novo mundo a sua volta lhe parecerá tão incrível e atraente que seu entusiasmo para explorá-lo deixará a idéia de ser independente mais interessante.

Veja mais temas :

Desenvolvimento bebê 6 meses

Desenvolvimento bebê 7 meses

Desenvolvimento bebê 8 meses

 

Comente com o Facebook

comentários